Arquivo da categoria: Cinnamon

Distros para iniciantes: Linux Mint #2

Olá pessoal, como prometido, estou publicando o primeiro capítulo da série “Distros para iniciantes”. Vamos abordar o Linux Mint, que também usei por um tempo. O Linux Mint, ou Linux de Hortelã (como é chamado por alguns) ganhou muita relevância no último ano, depois que a Canonical colocou o Unity (que na época estava bastante instável) no Ubuntu.

Chega de blábláblá e vamos apresentar o Mint.

O Linux Mint é uma distro baseada no Ubuntu e sua versão Linux Mint Debian Edition(LMDE) é baseada no Debian, que dá ao usuário uma distro completa e muito fácil de usar, perfeita para leigos e iniciantes.

https://i1.wp.com/distrowatch.com/images/cgfjoewdlbc/mint.png

 

  • Gerenciador de Pacotes: apt;
  • Origem: Irlanda;
  • Baseada no: Ubuntu e no Debian;
  • Arquitetura: i386, x86_64;
  • Desenvolvimento: Ativo.

Prós: uma distro fácil de usar, tem um repositório que por padrão (pelo menos na versão 11, a que eu uso), inclui cerca de 34 mil pacotes. A versão baseada no Debian (LMDE) que é infinitamente atualizada de acordo com o Debian Testing, é uma distro de visual agradável, inclui codecs e vários aplicativos na instalação padrão.

Contras: o LMDE é totalmente incompatível com a versão baseada no Ubuntu, e esta última é um pouco pesada.

Requisitos: 512 MB de RAM, (1 GB recomendado), 5 GB de HD, Processador x86 e Placa gráfica capaz de exibir na resolução de 800 × 600.

 

 

Anúncios

Afinal, o que é KDE, GNOME, XFCE, LXDE?

Artigo de autoria de Anjo do fórum Linux Mint Brasil

Alguns novatos podem se perguntar: “O que diabos é KDE/GNOME/XFCE/FluxBox/OpenBox/WindowMaker/…?” Aí obtém como resposta: “É uma interface gráfica.”

Bom, antes, vamos dizer que quase todos os sistemas operacionais (nem todos, só os que tem visuais né?) tem interface gráfica. O Windows XP tem uma interface gráfica, mas quase nunca ouvimos falar dela porque “é menos importante”. Chama-se Luna. Interface gráfica é tudo aquilo que controla o visual do seu sistema operacional (me corrijam se eu estiver errado). Sem ela, acho que seu sistema seria uma tela preta tendo que digitar comandos.

GNOME, KDE, XFCE, LXDE, FluxBox, OpenBox e afins são interfaces gráficas. Vou falar das mais conhecidas e mais usadas:

GNOME: é escrito com base em GTK+. GTK+ é toolkit multiplataforma para criação de interfaces gráficas, originalmente desenvolvido para o GIMP. (Fonte: Wikipédia) É lançada uma nova versão a cada 6 meses. (o mesmo ciclo do Ubuntu, porém, o GNOME lança uma versão um mês antes do Ubuntu. Ou seja, se o Ubuntu 10.04 vai lançar em Abril, a versão 2.30 do GNOME é lançada em Março.)

KDE: escrita com base em QT. QT é um sistema multiplataforma para o desenvolvimento de programas de interface gráfica. Por isso tem um visual estrondosamente diferente do GNOME, e é bem estiloso.

XFCE: escrito também com base em GTK+! É uma interface muito leve mesmo, rodando em PCs com 192 MB de RAM. Lembra o GNOME, mas é mais leve.

LXDE: Também escrita em GTK+. Mas é muito mais leve que o XFCE. É feito para rodar em PCs antigos também.

FluxBox: Escrita em C++ (não sei se é baseada em GTK+ ou QT) e é bastante leve. Ela é leve o bastante para rodar em um 486DX com 16 MB de memória RAM.

OpenBox: Escrito em C. Projetado para ser leve e rápido.

%d blogueiros gostam disto: